22 abr 2020

Setor supermercadista abre mais de 1.000 vagas desde o início da quarentena

A Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (ASSERJ) fez um levantamento inédito, junto às redes associadas, sobre o panorama do setor, considerando o período entre os dias 11 de março e 11 de abril, e identificou a abertura de mais de 1.000 vagas nos supermercados fluminenses desde o início do isolamento social. O setor é um dos poucos que está contratando em meio à pandemia.

Os dados correspondem às lojas que fizeram parte da pesquisa. A Associação identificou ainda que mais de 7% do total de funcionários que foram afastados neste período estavam inseridos no grupo de risco ou apresentaram qualquer sintoma característico da COVID-19. A iniciativa foi praticada pelos supermercados de forma espontânea desde o início do isolamento a fim de proteger todos os colaboradores mais vulneráveis, e consequentemente os clientes.

VENDAS DO SETOR

Outro dado revelado nesta pesquisa foi o aumento de 21% nas vendas, se comparado ao mês de fevereiro. Já em relação ao mesmo período do ano passado, 2019, as vendas tiveram um incremento de 20% nas redes de supermercados associadas da ASSERJ.

“O supermercado é um serviço essencial e fundamental para toda a população. E, como já esperávamos um aumento na procura, nos preparamos para esse período totalmente atípico na história do varejo, no Rio, no Brasil e no mundo”, comenta Fábio Queiróz, presidente da ASSERJ.

MOVIMENTO NAS LOJAS

Em um mês de pandemia, a movimentação nas lojas teve acréscimo de 2,28% em comparação com fevereiro. O motivo foi a corrida aos supermercados, logo no início da quarentena. Nas duas últimas semanas de março até o momento, registrou-se uma diminuição na quantidade de pessoas nos supermercados. Alguns fatores que influenciaram essa queda foram as constantes campanhas de conscientização sobre a COVID-19 divulgadas diariamente pela ASSERJ em seus canais de comunicação, com boas práticas para os supermercados e a sociedade no geral, além do fornecimento constante de informações sobre o pleno abastecimento das lojas.

Outras medidas que foram fundamentais nesta redução no movimento das unidades estão relacionadas ao aumento de pedidos para entrega em casa e a conscientização do consumidor de comprar somente o necessário, reduzindo, com isso, as idas ao supermercado. Para a ASSERJ, essa mudança no comportamento da população é positiva e contribui para a reposição gradual dos produtos nas prateleiras. A tendência é que, até o fim de abril, a queda no movimento das lojas permaneça.

NOVOS HÁBITOS

Ainda de acordo com o levantamento feito pela ASSERJ, as redes associadas tiveram um crescimento de 56% nos pedidos de delivery, que são os pedidos pelo telefone, se comparado com o mês de fevereiro. As vendas pelo e-commerce mais que dobraram no primeiro mês da pandemia, com um aumento de 124% nos pedidos pela internet ou aplicativo da loja.

Segundo Fábio Queiróz, esse aumento mostra que a população seguiu a orientação das autoridades de ficar em casa e, com isso, evitar aglomerações. “Reforçamos, mais uma vez, nossa prioridade aos idosos, que são considerados grupo de risco. Se puderem, recebam as compras em casa ou tentem pedir a parentes ou amigos para irem até a loja”, solicita o presidente.

PERFIL DO CONSUMIDOR NA QUARENTENA

Entre os itens mais procurados pelos consumidores, estão os produtos da cesta básica e os de primeira necessidade, como: produtos de higiene e limpeza em geral, alimentos congelados, água mineral, papel higiênico, carne, arroz, óleo, açúcar e leite. Neste primeiro mês de isolamento social, cada cliente comprou, em média, 12 itens, o que é previsto para o momento atual, em que as pessoas evitam sair de casa e fazem as compras de uma só vez.

O levantamento revela ainda aumento de 17% na quantidade de produtos que os consumidores estão levando para a casa, comparado ao mês de fevereiro, quando ainda nem se falava sobre a pandemia. Queiróz ressalta que o comportamento da população mudou. “Antes, víamos famílias inteiras no supermercado. Agora, as compras são feitas por pessoas sozinhas, o que ajuda a evitar aglomerações”. A Associação reforça que o abastecimento das mercadorias no Estado do Rio segue normal e, portanto, não é necessário estocar produtos.

BOAS PRÁTICAS

A ASSERJ continua orientando as redes associadas sobre todas as medidas de higiene, determinadas pelos órgãos competentes de Saúde, para o funcionamento de mercados, supermercados e hortifrútis durante a pandemia.

Entre as determinações, estão orientações que já vinham sendo amplamente divulgadas pela ASSERJ, como a ida de apenas uma pessoa da família às lojas, evitar levar crianças aos supermercados, ter álcool em gel na entrada dos supermercados, constante higienização dos carrinhos, suspensão dos serviços de degustação dentro das unidades, entre outras. Além dessas medidas, outras ações foram implementadas pelas próprias redes, como a aplicação de barreiras de acrílico nos caixas e a sinalização no piso com o distanciamento mínimo entre os clientes na fila.

A ASSERJ produziu também uma cartilha, que é atualizada constantemente, com instruções focadas nos supermercados e consumidores do setor para que intensifiquem as boas práticas de higiene e ações para evitar aglomerações dentro e fora das unidades. Confira a cartilha no site www.asserj.com.br.

www.brunodelima.com

SETOR SUPERMERCADISTA

Durante este primeiro mês de quarentena, a ASSERJ conquistou diversos alinhamentos com os órgãos competentes para a regulamentação do setor supermercadista do Rio de Janeiro e para garantia de uma melhor entrega para a população, como:

– Em 20 de março foi publicada resolução suspendendo, por prazo indeterminado, as restrições de acesso e horários para que caminhões de carga e descarga circulem com mais fluidez e as lojas possam ser abastecidas com mais agilidade;

– No dia 20 de março foi publicado também o decreto que liberou a venda do álcool líquido 70% nos supermercados e determinou a venda a preço de custo do álcool em gel;

– No dia 25 de março foi anunciado Decreto Municipal que determina que o sistema de entrega domiciliar (delivery) dê preferência aos consumidores com idade igual ou superior a 60 anos nos estabelecimentos supermercadistas do Município do Rio de Janeiro durante o período de pandemia da COVID-19. Os supermercados devem fazer a entrega das mercadorias em até 48 horas da data da compra. Só se aplicam pedidos realizados exclusivamente por telefone ou WhatsApp, compras feitas pela internet não são válidas;

– Também no dia 25, foi publicado o decreto estadual que permitiu o funcionamento, em todo o Estado do Rio de Janeiro, de pequenos estabelecimentos que se destinam à venda de alimentos e bebidas, podendo utilizar o sistema de venda direta, sem permanência no local. A medida beneficiou estabelecimentos congêneres de alimentos que não estavam abarcados como essenciais por não se apresentarem na forma de mercados e supermercados;

– No dia 26 de março, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Emprego e Relações Internacionais (SEDEERI) junto ao Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro – DETRO, os associados conseguiram autorização de trânsito livre dos automóveis fretados, tais como: vans, micro-ônibus e ônibus; para a condução de colaboradores entre a cidade do Rio de Janeiro e os demais municípios do Estado, incluindo os da Região Metropolitana;

– Por meio de parceria com a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (SEAPPA), pequenos produtores rurais já disponibilizam seus produtos nos supermercados. O objetivo é colaborar com o escoamento da produção durante a pandemia do coronavírus. Para disponibilizar seus produtos para as grandes redes, os agricultores precisam seguir alguns critérios como ofertar rastreabilidade, disponibilizar código de barras, documentação, entre outros parâmetros. A SEAPPA está apoiando e agilizando estes processos para os agricultores selecionados, além de fazer a ponte com a ASSERJ e as redes de supermercado.

“Essa é uma parceria importantíssima para que os pequenos produtores continuem suas produções e a população seja abastecida de produtos diferenciados e com qualidade. A associação está muito satisfeita com mais essa conquista que é benéfica para todos”, conta o presidente da ASSERJ, Fábio Queiróz. 

Deixe uma resposta