14 ago 2019

Setor supermercadista registra R$ 6,7 bilhões em perdas

Quarta-feira, 14 de agosto – As perdas dos supermercados brasileiros somaram R$ 6,7 bilhões em 2018, o que corresponde a 1,89% do faturamento bruto do setor*, de acordo com a 19ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro de Supermercados, realizada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da ABRAS. O resultado representa um crescimento de 0,7 ponto percentual em relação ao índice de 2017. 

Dentre as principais causas de perdas citadas pelos entrevistados estão: quebra operacional, 40%, furto externo, 20%, erro de inventário, 13%, e furto interno, 7%.  As seções que lideram os índices de perdas (por faturamento bruto) são: FLV (frutas, legumes e verduras), 5,54%, Rotisserie/Comidas Prontas, 5,52%, Padaria e Confeitaria, 4,12%, e Peixaria, 4,04%.

Os itens que mais sofreram perdas em valor e quantidade no ano passado foram: refrigerantes, cervejas, cortes bovinos (exceto picanha), pilhas e baterias, chocolates em barra e tabletes, queijos, desodorantes, azeites e sabão em pó. 

“As perdas e o desperdício estão entre os maiores desafios do setor supermercadista e, somente com o trabalho em conjunto com as redes é que poderemos buscar soluções mais eficazes para mudar esse quadro. A ABRAS atua com afinco, por meio do nosso Comitê de Prevenção de Perdas e Desperdícios de Alimentos para identificar os problemas em comum e desenvolver as melhores estratégias para evitar prejuízos. É muito importante entender que a prevenção não é gasto, e sim, investimento”, destaca o presidente da ABRAS, João Sanzovo Neto. 

Perecíveis e não perecíveis

Dentre os principais motivos citados pelos entrevistados sobre as perdas identificadas nos perecíveis estão: validade vencida, 36,92%, e impróprio para venda, 30,03%; e nos não perecíveis: validade vencida, 39,87%, e produtos avariados, 25,68%.

Prevenção

Do total de respondentes da pesquisa, 66% possui área de prevenção de perdas na empresa, ante 68% no ano anterior, um decréscimo de 0,2 ponto percentual em relação a 2017. Dentre os principais motivos citados pelos supermercadistas que não possuem a área de prevenção de perdas nas lojas estão o alto custo e a falta de retorno do investimento.

 Na avaliação também foram identificados os recursos tecnológicos mais utilizados atualmente pelos empresários para prevenir as perdas nas lojas: CFTV (monitoramento por câmeras), coletor de dados para a realização de inventário e alarmes de acesso. 

Em relação às principais atividades adotadas para a prevenção de perdas, citadas pelos supermercadistas, estão: definição das metas de perdas e controle de planos de ações, treinamento para colaboradores, e processos mais cuidadosos no recrutamento e seleção. 

Respondentes


A 19ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro de Supermercados foi realizada com base nas informações de 236 redes supermercadistas participantes, que somam 3.532 lojas no país. Essas redes faturaram R$ 46,3 bilhões em 2018, o que representa 13% do faturamento total do setor supermercadista.
 

*Setor

O setor de supermercados registrou faturamento de R$ 355,7 bilhões em 2018, chegando a 5,2% do Produto Interno Bruto (PIB). O setor encerrou o ano passado com 89,6 mil lojas e 1,853 milhão de funcionários diretos ante 1,822 milhão registrado em 2017, criando 30,7 mil novas vagas de empregos no País.

Clique aqui para baixar a apresentação na íntegra: Apresentação de perdas

 Fonte: Assessoria ABRAS

Deixe uma resposta