17 fev 2020

Carrefour fecha compra de 30 lojas do Makro Brasil por R$ 1,95 bi

O Grupo Carrefour anunciou hoje o fechamento da aquisição de 30 lojas do Makro no país, sendo 22 unidades próprias e oito alugadas (com transferência do contrato de locação) por R$ 1,95 bilhão. Nesse pacote ainda estão incluídos 14 postos de combustível em 17 Estados.

Os ativos vendidos faturaram em 2019 cerca de R$ 2,8 bilhões, e ao se somar o montante à base de vendas do Carrefour, o grupo atingirá uma receita bruta anual de quase R$ 65 bilhões no Brasil. Em termos geográficos, trata-se da venda de quase toda a estrutura do Makro no país, com exceção do estado de São Paulo, região onde a rede holandesa continuará a atuar no país, com 24 unidades e 14 postos. No Estado de São Paulo, o Makro faturou R$ 3,5 bilhões em 2019.

Com a transação, o Carrefour, por meio de sua cadeia de atacarejo Atacadão, soma as 30 unidades às suas 187 lojas, passando a operar com 217 pontos no Brasil. A atuação do Atacadão ganha força especialmente no Rio de Janeiro (sete lojas novas) e Estados do Nordeste (oito lojas).

Resultado de imagem para Carrefour fecha compra de 30 lojas do Makro Brasil por R$ 1,95 bi

“Baseado no modelo do Atacadão, o Grupo Carrefour Brasil espera que as vendas aumentem em mais de 60% e que a estrutura de custos seja otimizada, possibilitando o alcance gradual de níveis de rentabilidade similares aos existentes nas lojas atuais”, informou o grupo na manhã de hoje em comunicado ao mercado. O Carrefour pretende converter a bandeira das novas lojas para a marca Atacadão no período de 12 meses após o fechamento da transação, condicionada à aprovação do Cade, o órgão de defesa da concorrência no país.

Com a transação, o Makro reduz seu tamanho no país, mas afirma que planeja investir os recursos da venda na operação local. “Os recursos ficarão aqui. Decidimos nos concentrar em São Paulo, onde somos lucrativos, e criar um novo modelo de negócio a partir daqui”, disse ao Valor hoje Roger Laughlin, presidente interino do Makro no país. A operação no restante do país, vendida ao Carrefour, deu prejuízo operacional em 2019.

Fonte: Valor Econômico (Adriana Mattos)

Deixe uma resposta