13 maio 2020

Colaboradores com sintomas de COVID-19? O que fazer?

O colaborador do seu supermercado está apresentando sintomas do Coronavírus (COVID-19)? Se sim, essas orientações podem ser úteis. De início, ao se deparar com essa situação, é preciso conhecer com clareza as medidas sobre o afastamento imediato do funcionário e os procedimentos corretos e seguros para acompanhamento médico.

O protocolo recomendado é o afastamento do colaborador do trabalho na identificação do primeiro sintoma. Caso seja identificada queixa durante a jornada de trabalho ou se o colaborador identificar o sintoma em casa, a indicação é que faça contato com a empresa, informando sobre o seu estado de saúde.

O contato pode ser diretamente com o SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho), ou com o setor de Recursos Humanos, ou ainda com o Gerente de Loja. Para qualquer um dos interlocutores, é importante que neste encaminhamento o colaborador receba orientações básicas quanto ao monitoramento dos sintomas, como: verificar febre, avaliar se terá crises de falta de ar). Além de receber informações sobre boas práticas de prevenção, reforçando os cuidados de higiene pessoal para ele e para o local onde ficará em repouso, e também indicação para ingestão de líquidos e alimentos que possam ajudar no fortalecimento da sua imunidade durante este período.

Leia mais: aplicativo lançado em parceria com ASSERJ registra mais de 500 oportunidades de emprego no Rio em dois dias

O protocolo de afastamento deve conter ainda os períodos de monitoramento dos sintomas e/ou tratamento da doença. Em caso de Coronavírus (COVID-19), há protocolos de afastamento de 7 ou de 14 dias a depender da gravidade. Neste caso, a recomendação é que o colaborador busque ajuda em recursos como telemedicina (para quem possui plano de saúde) ou ainda uma rede pública que dê esse suporte e atestado médico.

Uma das opções que a empresa pode utilizar é o app Coronavírus-SUS, lançado pelo Ministério da Saúde com o objetivo de conscientizar a população sobre o COVID-19. O protocolo indicado é pedir para o funcionário baixar o App no celular e acompanhá-lo, presencial ou virtualmente, a responder as 6 questões que são sugeridas no aplicativo. As principais funcionalidades do APP Coronavírus-SUS são:

  • Informativos diversos sobre sintomas, prevenção, o que fazer em caso de suspeita e infecção e etc;
  • Mapa indicando unidades de saúde próximas;
  • Em caso de suspeita de infecção, o cidadão pode conferir se os sintomas são compatíveis com o do Coronavírus. Caso sejam, será instruído e encaminhado para a unidade de saúde básica mais próxima;
  • Área oficial de notícias do Ministério da Saúde com foco no Coronavírus;
  • Além de ajudar no mapeamento dos casos potenciais, o funcionário fica sendo monitorado pelo governo e pode receber ligações da rede SUS.

Covid-19: saiba quais são os sintomas atípicos da doença

A ASSERJ orienta também que o monitoramento também seja feito pelo médico do trabalho ou profissional da saúde que compõe o SESMET da empresa, por contato telefônico, especialmente em casos de afastamentos por 14 dias. Com o reestabelecimento da saúde do colaborador e sendo aprovado o retorno dele às atividades, após a avalição e liberação do médico do trabalho, o que a empresa deve fazer?

Leia mais: Entrevista Balanço Geral: delivery são os responsáveis pelo impulsionamento das vendas

Nesse caso, no retorno do colaborador, o gestor deve reforçar os protocolos de prevenção diária. Para embasar essas orientações, a ASSERJ produziu e disponibilizou uma cartilha que é atualizada constantemente, com instruções focadas nos supermercados e consumidores do setor para que intensifiquem as boas práticas de higiene e ações essenciais para esse cuidado diário. Confira a cartilha neste link.

É importante lembrar que o COVID-19 passou a ser considerado doença ocupacional, o que traz uma responsabilidade ainda maior para as empresas quanto a estabelecer procedimentos de prevenção e disponibilizar EPIs, recursos de limpeza e treinamentos aos colaboradores. Vale lembrar que todos esses protocolos devem ser documentados por meio de políticas, apresentações com fotos e vídeos, listas de presença em treinamento, entre outros, de forma a comprovar as medidas adotadas em casos de fiscalizações do trabalho ou vigilância sanitária.

A ASSERJ orienta que as equipes de RH das empresas acompanhem os colaboradores afastados por meio de ligações periódicas, para que eles se sintam acolhidos. A Associação solicita que, se possível, nos enviem periodicamente indicadores de afastamentos por suspeita ou confirmação de COVID-19, para que possamos acompanhar a situação do setor supermercadista no Estado.

Deixe uma resposta