14 abr 2020

App James apoia microempreendedores da Rocinha

Rio de Janeiro, abril de 2020 – Uma das principais consequências da pandemia do coronavírus no País é o impacto socioeconômico, especialmente para aqueles pequenos empreendedores, que, por conta das recomendações de isolamento social, não estão abrindo seus estabelecimentos comerciais. Com o olhar voltado para esse público, o super aplicativo James, plataforma de entregas em menos de uma hora com atuação em 18 cidades brasileiras (incluindo o Rio de Janeiro), em parceria com o projeto “Favela sem Corona”, vai apoiar pequenos empreendedores da comunidade da Rocinha realizando a venda e a entrega de produtos por meio do app. O objetivo principal é garantir que essas pessoas mantenham sua renda, além de possibilitar a manutenção desses negócios e dos empregos gerados, levando os produtos até o consumidor final. O valor da venda será revertido integralmente ao empreendedor.

Brownie na Lata pra compartilhar com o Baile - 360g - Brownie de ...

Inicialmente, a parceria começará com o projeto Brownie de Favela. Dentro do app do James, será possível acessar uma loja chamada “Brownie de Favela”, na qual os produtos estarão disponíveis para venda e entrega, de acordo com o raio de cobertura do James na cidade do Rio de Janeiro, que pode ser conferido no próprio aplicativo. São kits com quatro brownies, sendo dois de chocolate tradicional, um com recheio de doce de leite e um com coco. O preço de venda é de R$ 30.

“Os apps de delivery estão se tornando, cada vez mais, parceiros das pessoas e se consolidando como uma opção rápida de adquirir produtos e refeições sem precisar sair de casa. Parcerias como a com o ‘Favela sem Corona’ fazem com que a cultura do delivery fique ainda mais próxima das pessoas, oferecendo a oportunidade para que empreendedores das comunidades cariocas estejam acessíveis a milhares de clientes por meio da capilaridade e raio de atuação do James, ampliando a visibilidade do seu negócio. Para o James, é uma grande satisfação fazer parte de uma parceria que valoriza o trabalho de moradores da comunidade, auxiliando na geração de renda e possibilitando que mais pessoas conheçam a qualidade dos itens produzidos por eles”, explica Lucas Ceschin, Co-fundador do James. A expectativa a empresa é ampliar o projeto para outras comunidades e empreendedores da zona sul da cidade do Rio de Janeiro nos próximos meses.

Brownie de Favela

O Brownie de Favela nasceu para ser uma startup, se expandindo para outras comunidades e gerando mais empregos. A venda dos brownies irá subsidiar o Celeiro de Ideias, uma incubadora de negócios de impacto social nas periferias. “O favelado movimenta a economia local. Estou muito feliz por contribuir com a minha comunidade por meio dessa parceria. É um sentimento de esperança em meio a esse cenário e é muito satisfatório saber que há opções e alternativas disponíveis para incentivar a produção de empreendedores da favela. Minha expectativa é aumentar de forma significativa as vendas por meio do app do James”, comenta Marcos Roque, fundador do Brownie de Favela.

O projeto “Favela sem Corona” foi criado com o objetivo de diminuir o impacto da pandemia do coronavírus nas comunidades do Rio de Janeiro, atuando nas áreas de prevenção e apoio ao diagnóstico da Covid-19. Uma das frentes de atuação do projeto consiste no apoio aos empreendedores. “Essa parceria com o James é essencial e fundamental para os microempreendedores das favelas. As principais demandas que o projeto ‘Favela sem Corona’ recebe dos trabalhadores autônomos e microempreendedores individual são justamente não estar conseguindo manter o mesmo faturamento de antes da pandemia e o receio de não conseguir manter o negócio em funcionamento. Por isso, buscamos uma solução em conjunto com um parceiro que possibilitasse o escoamento da produção desses empreendedores, no caso um aplicativo de entregas em minutos, para que eles pudessem continuar trabalhando e, depois, quando o consumo voltar ao normal, dar seguimento ao negócio com menos dificuldades”, diz Pedro Henrique Costa Berto, idealizador do “Favela sem Corona”.

Fonte: Assessoria de Imprensa James

Deixe uma resposta