18 jul 2018

Judoca Rafaela Silva: Coaching Fundamental

Você sabe o que é coaching? Um profissional para ter sucesso precisa de um coach? O painel ‘A Importância do Coach na vida profissional: A história de Rafaela Silva’ respondeu a essas perguntas na 30ª Super Rio Expofood e apresentou o que mudou na trajetória da atleta, cuja performance foi potencializada por esse trabalho.

O coaching de resultado promete melhorar carreira e vida pessoal. Estima-se que o mercado movimente cerca de 50 milhões de reais por ano no Brasil. O termo coaching nasceu no começo do século XIX na Inglaterra para designar preparadores de candidatos a concursos públicos. No esporte coach significa treinador, em inglês.

André Portes, CEO da Rede Multimarket, destacou a importância do coaching em trabalhar o potencial das pessoas. “Potencial é um poder que nunca foi revelado, habilidades adormecidas, energia que nunca foi usada, o que você é mas que ninguém sabe ainda”, disse. O executivo instigou o público para que façam a diferença hoje, e não esperarem uma iniciativa externa, do chefe, por exemplo. “Enquanto você estiver vivo há sempre algo que possa fazer”. André cita o poder da liderança visionaria, e que a visão é a fonte da verdadeira liderança

Coach: da derrota a glória

Nell Salgado, Coach de Atletas de Alta Performance e Mentora de Coaches Esportistas, foi a responsável pela guinada na carreira da judoca Rafaela Silva. “Não fosse o fato de ela pôr minha cabeça no lugar, eu não teria conquistado o pódio”, afirma a atleta.

A especialista destaca que a ferramenta principal do processo de coach são as perguntas e colocar o cliente para pensar. “Ter a capacidade de entender o outro e colocá-lo para olhar para dentro é nato em verdadeiros líderes”, afirma Nell.

Conheça as 3 etapas do processo de coaching:

1ª: Tomada de consciência
Perceber o que está, ou não, fazendo em prol dos seus objetivos

2ª: Tomada de decisão
Qual é o tipo de decisão que é preciso tomar para chegar onde quer

3ª: Ação
Decisão sem ação não é nada.

Nell explica que as respostas, de fato, estão dentro de nós, mas para encontrá-las é preciso fazer as perguntas certas. Ela destaca que tanto a psicologia, quanto o coach, têm o objetivo de auxiliar a evolução das pessoas, a diferença é que o foco da psicologia é no problema.
“O terapeuta quer saber o que te incomoda, e o coach quer saber porque você ainda não chegou lá. Não se trata do tamanho da sua dor, e sim o que você faz com ela. O foco do coach é na solução”, diz.

Foco todos nós temos, a questão é aonde ele está. O foco do coach é na solução.

Quando se conheceram em 2012, Rafaela tinha ido competir as Olimpíadas de Londres como uma das favoritas, mas com a sua desclassificação tudo mudou. “Naquele momento ela sofreu ódio e racismo, recebeu muitas ofensas nas redes sociais, e quando voltou para o Brasil não queria mais ser atleta”. Nell trabalhava no Instituto Reação e ali começaram o trabalho em conjunto. “Projetamos que a Rafaela visualizasse a próxima Olimpíada que iria acontecer na cidade dela, só que pela TV. Naquele momento começamos uma parceria, e 8 meses após aquele encontro, ela se tornou a primeira mulher a ser campeã mundial de judô’’, lembra a coach.

Vianense fecha com a Escola ASSERJ mais de 30 sessões de Coaching Gerencial

Gerentes do Vianense farão 10 sessões de coaching gerencial com a Escola ASSERJ. A consultoria acontece uma vez por semana na sede do supermercado. O propósito da Escola ASSERJ é fornecer ferramentas e conhecimento para que o varejo supermercadista se torne cada vez mais completo.

O início de tudo

A história de Rafaela Silva tornou-se conhecida e admirada por todo Brasil em 2016, quando conquistou o primeiro ouro para o judô nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. No entanto, a atleta trouxe à tona fatos sobre sua vida pessoal que mostraram que sua luta já era travada desde a infância. Aos 8 anos, Rafaela teve de se mudar da comunidade onde morava com a família “nós tivemos que sair de uma hora para outra. Foi quando meu pai conseguiu uma casa na Cidade de Deus, e nessa rua abriu uma academia onde, felizmente, eu e minha irmã pudemos treinar judô”. Rafaela passou a ter aulas com um treinador da seleção brasileira de judô que viu nela um talento que as outras alunas não tinham.

A carioca seguiu com os treinos e logo passou a competir fora da cidade. “Sempre foi muito difícil, minha família não tinha dinheiro nem para comprar um chinelo para mim. Quando passei a ir para campeonatos, minha alimentação não era de atleta, era pão francês com refrigerante”, lembra.

Após chegar perto de seu sonho e quase desistir da carreira, Rafaela recomeçou. Ao lado de sua coach, Nell Salgado, a atleta afirma que a orientação foi fundamental para realizar suas conquistas.

“Hoje sou patrocinada pela Nike e posso ter quantos chinelos e tênis eu quiser”, diz. Atualmente, a atleta está na zona de ranqueamento para se classificar para as Olímpiadas de Tóquio em 2020, e junto com sua equipe, já sonha em estar de novo representando o Brasil no evento esportivo mais importante do mundo.

Assista na TV ASSERJ uma entrevista exclusiva com Rafaela Silva

Deixe uma resposta