26 dez 2018

Seção Bazar: mais espaço e lucro para o varejo

Não precisa estar na lista de compras para atrair o cliente, isso é o que revela uma pesquisa sobre o aumento de espaço e lucro da seção Bazar nos supermercados. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), em 2017 os supermercadistas brasileiros tiveram faturamento de R$ 353,2 bilhões e a participação da seção Bazar aumentou de 3,8% em 2016 para 4,1% em 2017.

De brinquedos, a papelaria, utilidades domésticas, itens para pequenos reparos, lâmpadas, panelas, entre outros, fazem parte de um mix de produtos que está cada vez mais diversificado e ganhando espaço nos supermercados, independente do porte da loja.

O Case de Volta Redonda

Um exemplo é a rede Empório Royale de Volta Redonda (RJ), associado ASSERJ. No início a empresa considerava esta área apenas como um setor, mas o mix de produtos e investimentos cresceram tanto que decidiram abrir uma loja da rede dedicada a este tipo de item, a Royale Home Center. Hoje é uma loja de presentes, decorações, móveis, cama, mesa e banho. Além disso, possui um encarte exclusivo, e mídia de TV independente.

A empresária, e também compradora responsável pela loja, Elaine Chokyu, concorda com a pesquisa da ABRAS, mas faz uma observação sobre o mix. “A vendas aumentaram porque o mix dobrou”, admite Elaine. Ela atribui o crescimento do setor pelo aumento do mix, espaço exclusivo criado, exposição diferenciada e treinamento da equipe.

Por ser responsável pelo sortimento desta seção no Royale, a empresária revela que a compra é baseada nas tendências que pesquisa em feiras e fábricas, além de ter como principal crivo o gosto dos clientes.

A exposição dos produtos no ponto de venda também tem bastante influência na hora da compra e escolha do cliente. “Os produtos precisam estar sempre bem iluminados e bem organizados por estilo, cor e função.”, afirma a compradora.

Ela ainda ressalta a importância de existir pontos extras pela loja, além do fixo. “O ideal é ter no supermercado vários pontos espalhados pela loja com itens que se complementam, como por exemplo, acessórios de vinho na adega, panelas de fondue próximo aos queijos, copos especiais perto das cervejas, difusores e bandejas decorativas na perfumaria etc”.

O Bazar bem trabalhado no mix de produtos e nas datas sazonais pode ser um ponto a favor para sair na frente da concorrência. Esses são os maiores desafios e oportunidades na visão da empresária Elaine Chokyu, da rede Royale. “O maior desafio é renovar constantemente o estoque, criando atrativos diários. E as oportunidades estão nas datas sazonais como Dia das Mães, Namorados, Pais, Páscoa, Natal, Verão, Inverno, etc.”, aponta.

Segundo a Global Association for Marketing at Retail, 76% das decisões de compra feitas pelos consumidores são realizadas no ponto de venda – ou seja, não depende da “listinha de compras”, são pensadas na hora.

Esse dado mostra o poder que o setor de Bazar tem de capturar a atenção do consumidor. Ações no ponto de vendas são fundamentais. Seja com displays, banners, cartazes, ações promocionais, ou amostras grátis. Além dessas ações, a rede Royale aposta também em ferramentas especiais como as redes sociais e lista de transmissão por mensagem instantânea no WhatsApp.

ESPECIALISTA DA SEÇÃO

Para a Limppano, líder de mercado em limpeza nas categorias como esponjas e produtos de perfumação, também foi perceptível o aumento de lucro para o varejo dentro do setor de Bazar. Segundo o diretor comercial da marca, Tarcísio Bravo, de 2016 para o ano seguinte a Limppano cresceu acima do índice que a pesquisa da ABRAS aponta. Já neste ano, a companhia também identificou um crescimento relevante até maio, antes do movimento da Greve dos Caminhoneiros.

“Como o Bazar é uma área sensível à renda, nesses últimos meses sentimos algumas mudanças por conta dos acontecimentos políticos e econômicos no país, mas no acumulado tivemos considerável aumento.”, revela Bravo.

Segundo o executivo, de um tempo para cá o supermercadista passou a dar mais valor ao Bazar, organizando e vestindo-o melhor para receber o shopper, e com isso conseguiu capturar essas pessoas que precisavam desses produtos, mas que normalmente não compravam no supermercado.

Para o diretor comercial, o principal motivo para o varejista investir neste setor é o fato de ser uma área geradora de margem. “Essa é uma seção menos sensível a pesquisa de preço, diferente dos setores tradicionais como alimentos”, afirma.

Bravo chama a atenção para a venda cruzada e pontos extras na loja a fim de incrementar a margem de lucro. “Por exemplo, a esponja vende muito bem ao lado do detergente, mas ela também é fundamental do lado da panela, pois vai mexer com a mentalidade do consumidor que lembrará da necessidade deste item”

 

 Como aumentar as vendas no Bazar:

– Explore o encarte das lojas

– Sinalize bem as gôndolas e pontas de gôndolas

– Trabalhe com materiais visuais como cartazes e placas

– Organize os produtos de forma confortável para o cliente

– Faça pacotes promocionais com produtos (packs)

– Enfeite o ponto de vendas

 

*Reportagem publicada na revista Super Negócios (7)

Deixe uma resposta