19 mar 2018

Nielsen divulga dinâmica das promoções no varejo na convenção abras

Em 2017, o aumento das vendas por meio da redução temporária de preço ocorreu em todos os mercados auditados pela Nielsen. Entretanto, o consumidor tem a percepção dessa realidade em menor proporção, ou seja, compraria o produto mesmo não sendo subsidiado, de acordo com estudo apresentado hoje (19) na Convenção ABRAS, no Rio de Janeiro.

Dentre as categorias que aumentaram importância de redução de preço no ano passado, estão:

Commodities – 100%

Perecíveis – 100%

Mercearia – 78,6%

Bebidas – 71,4%

Higiene e beleza – 80,4%

Limpeza – 75,8%

Das categorias pesquisadas pela Nielsen, 72,1% das que tiveram desconto de preço geraram vendas incrementais. E 36% das categorias que tiveram desconto de preço teriam quedas nas vendas se não fosse pela ações promocionais. Diante deste cenário, tanto a indústria quanto o varejo devem considerar alguns pontos importantes para uma boa execução, de acordo com a Nielsen, aplicando a promoção na medida certa:

Duração: períodos muito longos de desconto do item podem efetivamente perder o efeito para o shopper.

Espaçamento: frequência em que o shopper encontra o item com desconto gera o efeito surpresa. Descontos não podem ficar “batidos”.

Profundidade: a profundidade ou tamanho do desconto do item está ligada à margem de contribuição e pode atrair os shoppers.

O estudo da Nielsen também verificou os períodos sazonais como oportunidades para impulsionar as vendas promocionadas em algumas categorias chave. A semana black friday correspondeu a 2,8% das vendas de 2017, as categorias que mais impulsionaram vendas na data foram:

 Autosserviço: cervejas, celulares, televisores, refrigerantes e leite asséptico.

Acarejo: cervejas, refrigerantes, bolachas, óleo e arroz.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Nielsen/ABRAS

Deixe uma resposta