19 dez 2017

Unidade do supermercado Zona Sul (Urca) deixará de fornecer sacolas plásticas

Pesquisas apontam que no Brasil são distribuídas cerca de 1,5 milhões de sacolinhas plásticas por hora. No mundo inteiro, são entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolinhas plásticas por ano. Este tipo de plástico demora mais de 100 anos para se decompor, causando a compactação e impermeabilização do solo e de depósitos de lixo.

Engajados e tendo como um de seus pilares a sustentabilidade, a rede Zona Sul se destaca por iniciativas em prol da preservação do meio ambiente. A última novidade anunciada é o término do uso de sacolas plásticas na filial da Urca, que acontecerá a partir de 02 de janeiro de 2018. “Conversamos com a Associação de Moradores da Urca sobre a iniciativa e eles gostaram muito da ideia, trata-se de uma grande prestação de serviço para a comunidade’, ressalta Pietrangelo Leta, vice-presidente do Zona Sul.

Pietrangelo explica que a decisão mexe com o hábito dos clientes, já que muitos ainda não tem o costume de levar ecobags para o supermercado. A filial irá vender as sacolas retornáveis a baixo custo, itens inclusive, que já fazem sucesso com os cariocas. “Nossas ecobags são estilizadas, e temos coleções novas duas vezes ao ano”, diz.

A filial da Urca também irá fornecer caixas de papelão nos check-outs para os consumidores levarem suas compras para casa. E clientes cadastrados no Zona Sul poderão pegar ecobags emprestadas e devolver quando retornarem na loja. Pietrangelo afirma que a ideia é expandir a ação para todas as unidades do Zona Sul, e que por ser um bairro pequeno, a Urca será o local piloto para a iniciativa.

Estações para recolhimento de pilhas e baterias não utilizadas, e óleo de cozinha também serão instaladas na filial. Atualmente, a principal ação sustentável da rede é a coleta seletiva de todo o lixo orgânico produzido, que é reaproveitado e vira um adubo, onde parte desse adubo é vendido em todas as lojas.

“É um trabalho de vizinhança, somos o verdadeiro vizinho para ajudar o entorno. O setor supermercadista é um grande gerador de empregos, mas também geramos impacto ambiental. Então é uma contribuição. A economia com as sacolas plásticas renderá mais benefícios para o próprio cliente. Estamos beneficiando o ambiente com menos impacto, e no futuro essa economia será repassada para o consumidor final”, explica o vice-presidente.

Entre tantas ações de impacto positivo para o meio ambiente e para o consumidor, Pietrangelo faz um alerta ao setor para que também façam parte desse movimento. “O Zona Sul está dando o pontapé inicial para que todo o setor se mova, queremos que outros supermercados também façam ações como essas”, finaliza.

 

 

 

 

Deixe uma resposta