07-07
07 jul 2017

Consultor de varejo Marco Quintarelli fala sobre marca própria

Os produtos de marca própria têm conquistado cada vez mais espaço nas prateleiras e gôndolas das grandes redes de varejo no Brasil. Porém, uma pesquisa feita pela Kantar Worldpanel apontou que os europeus lideram no quesito de consumo destes produtos. O estudo mostrou que 52 milhões de lares no mundo consomem mercadorias de marca própria, e a Grã-Bretanha, a Holanda e a Espanha estão entre os países com maior percentual de consumo.

Conversamos com o consultor de varejo, Marco Quintarelli, sobre o tema. Confira!

ASSERJ: Como o conceito da marca própria é visto no Brasil?

Marco Quintarelli: O consumidor brasileiro ainda possui um certo receio em adquirir produtos que não sejam de grandes marcas conhecidas. É preciso mudar essa cultura aos poucos.

Itens de marca própria são, em média, 40% mais baratos do que os líderes de categoria. No Brasil, a pesquisa da Kantar Worldpanel destacou que o número de lares brasileiros que consumiu algum produto desse segmento atingiu a expressiva marca de 32,6 milhões até o final do primeiro semestre de 2016. Isso representa um crescimento de 45% em valor registrado nos últimos seis anos. Ainda segundo o levantamento, as classes A e B vem sendo as principais responsáveis em impulsionar esse aumento.

ASSERJ: Qual é o desafio que as marcas próprias enfrentam no varejo brasileiro?

MQ: O consumidor brasileiro está começando a abrir a mente em relação aos produtos de marca própria. Porém, ainda é necessário quebrar alguns paradigmas. Os varejistas precisam perceber que a marca própria é uma força relevante para aumentar a sua diferenciação e a lealdade junto aos seus clientes.

ASSERJ: Como é o processo de criar uma marca própria?

MQ: Criar uma marca própria não é apenas criar um produto mais barato e nem inserir um nome em uma embalagem. É necessário desenvolver um conceito e expertise naquele produto ou linha de produtos, e trabalhá-los como se fossem uma grande marca corporativa, com qualidade e eficácia. Para os varejistas, os produtos de marca própria permitem a livre concorrência com produtos líderes de categoria, proporcionando excelentes opções de produtos de alta qualidade, com preços competitivos e, acima de tudo, fidelização junto ao estabelecimento. Uma ótima relação “custo-benefício” para o consumidor.

Confira os benefícios da marca própria para o consumidor final e para o varejista, de acordo com Quintarelli.

– Para o consumidor: melhor relação custo-benefício, mais opção de produtos, mais economia – produtos com melhores preços – em média até 20% mais baratos ou mais em relação às marcas referência e nova geração de produtos –  acesso à novas tecnologias e preços de mercado.

– Para o varejista: rentabilidade da categoria, venda da categoria, fidelização – marca e fortalecimento da imagem, na negociação com outros fornecedores e diferencial sobre a concorrência.

Sobre Marco Quintarelli

É consultor e especialista em varejo. Quintarelli possui mais de 30 anos no mercado varejista e acumula vasta experiência no segmento. O profissional é um dos sócios-fundadores da ABMAPRO (Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirizações), sendo um dos executivos pioneiros a implantar produtos de marcas próprias no Brasil. Quintarelli também atua como consultor em grandes redes de varejo como a Rede Economia e Supermercados Princesa e já ocupou o cargo de diretor de marcas próprias do Grupo Sendas e do Grupo Pão de Açúcar.

Deixe uma resposta