PCD, cotas, supermercados, GMAP
03 maio 2018

Supermercados GMAP tornam-se caso de sucesso para cotas PCD

PCD, cotas, supermercados, GMAP

“É uma experiência fantástica”, Jeferson Resende, gerente de RH do GMAP (camisa social verde) ao lado da equipe PCD.

 

Com lojas espalhadas por todo o estado do Rio de Janeiro – São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio, Petrópolis – GMAP é caso de sucesso na contratação de pessoas com deficiência

 

Em vez das recorrentes multas pelo não preenchimento das cotas para contratação de pessoas com deficiência (PCDs), o Ministério do Trabalho só não protocolou um elogio em seus registros aos Supermercados GMAP por não fazer parte dos procedimentos. Mas, a política de contratação de PCDs na matriz e filiais não só cumpriu como excedeu o mínimo de profissionais exigido pela lei – que varia de 2% para estabelecimentos entre 100 e 200 funcionários a 5%, de 1.000 funcionários em diante.

“A direção do GMAP tem uma sensibilidade grande com essa questão e passamos a inserir a pessoa com deficiência dentro do quadro de funcionários, sem delimitar áreas específicas para a sua atuação”, conta Jeferson Resende, gerente de Recursos Humanos do GMAP. Exigências de escolaridade e qualificações específicas também foram amenizadas para que as vagas pudessem ser preenchidas.

Presença no Dia D do Ministério do Trabalho

Estas foram apenas uma das estratégias adotadas internamente para ampliar a presença dos PCDs no GMAP, que possui mais de 2.000 funcionários. Também foram fundamentais a troca constante com o Ministério do Trabalho e a participação nas edições do Dia D da Inclusão Social e Profissional de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no mercado de trabalho. Trata-se de um ponte importante entre trabalhadores com deficiência e empregadores para motivar o cumprimento da lei de cotas.

Outro contato importante é com o SINE (Site Nacional de Empregos), site desenvolvido pelo Banco Nacional de Empregos que atua como um classificado online de vagas em todo o Brasil. Além das parcerias com consultorias especializadas na contratação e treinamento de pessoas com deficiência (PCDs).

Foco nas cotas

“Também colocamos uma pessoa na minha equipe totalmente focada nas cotas PCDs”, diz Resende. Além de gerenciar a vaga, essa profissional também cumpre um importante papel de quebrar preconceitos e preparar o PCD para atuar com as especificidades de cada vaga. “É um trabalho que tem que pegar firme e levar a sério”, completa.

Os resultados não poderiam ser melhores. Além de cumprir a legislação, o GMAP criou um ambiente mais inclusivo e humanizado e descobriu talentos, como o do funcionário com alto grau de autismo que se mostrou um exímio auxiliar de cartazista. “Descobrimos que ele tinha uma letra linda e o colocamos para desenhar cartazes. Já está há três anos com a gente. É uma experiência fantástica”, celebra Jeferson.

Deixe uma resposta