06 dez 2018

3 passos para prevenir perdas durante as festas de final de ano

A descrição do trabalho do setor de prevenção de perdas, nos supermercados e no varejo em geral, especifica que a principal função é aumentar os lucros da empresa, independentemente da época. No final do ano, esse serviço exige um foco maior por conta dos produtos sazonais de natal e ano novo, que incluem embalagens frágeis, datas de validade apertadas e alimentos perecíveis sem conservantes, tornando fundamental prevenir e proteger as mercadorias.

É justamente nessa época que o varejo contrata muitos profissionais extras que entram na empresa sem o conhecimento da cultura organizacional, com suas normas e procedimentos, viabilizando riscos de furtos internos ou ações por danos morais, em razão de abordagens indevidas que caracterizam constrangimento ilegal.

Na busca de um faturamento maior, alguns varejistas optam por aumentar os estoques com produtos de alto, médio e baixo giro, na mesma proporção. No entanto, após as vendas de final de ano, o fluxo diminui e os produtos de baixo giro (e alguns de médio giro) ficam parados no estoque. Sem giro e sem possibilidade de troca com o fornecedor, o produto terá seu prazo de validade expirado, resultando em perda para a empresa.

De acordo com o Gerente de Prevenção de Perdas do Supermarket, Fábio Eduardo, é necessário estar preparado para situações incomuns que produzam perdas nas lojas e que correm o risco de acontecer. “Nesse período sazonal, devemos nos preocupar e fiscalizar todo processo de recebimento, armazenamento, exposição e venda destes produtos natalinos”, afirmou o especialista.

De acordo com o profissional, no ato do recebimento, o colaborador deve atestar a qualidade, quantidade e validade dos produtos. Veja as dicas que separamos para os produtos das festas do final de ano em destaque:

1 – Armazenagem

Após o recebimento dos produtos, é recomendado agrupar no depósito, e se for perecível deve sair do recebimento para geladeira, mantendo a qualidade. No caso de carga seca, deve ir direto para a área de confinamento, para não ocorrer desvios, pequenos furtos ou se perderem no depósito, só achando quando acabar o período e podendo já estar vencido.

 

1.1 – Bacalhau: verificar pesagem, considerando o desconto do sal e a perda natural do peso, quando exposto por muito tempo na área de vendas. Abrir todas as caixas, para ter a certeza que o produto especificado na Nota Fiscal é o mesmo dentro da caixa.

 

 

1.2 – Chester: confirmar a qualidade através da temperatura do baú do caminhão e do produto, além de pesar todas as caixas e abri-las, para ter a confirmação do recebimento do produto.

 

 

 

1.3 – Frutas Natalinas: o encarregado do setor, junto ao colaborador da Prevenção, deve acompanhar o recebimento, para assegurar a qualidade e quantidade do produto. Depois que adentrar na filial, a perda é contabilizada para a loja.

 

 

2 – Área de Exposição

Neste período de festas, muitos clientes lotam os corredores e podem provocar desde pequenos incidentes até acidentes, resultando em uma perda significativa para a empresa. Os curtos espaços para os carrinhos de supermercado podem ocasionar a derrubada de objetos ao chão, invalidando seu consumo, aumentando o prejuízo com as perdas.

Por se tratar de um período sazonal, novos produtos expostos aumentam o volume de exposição nas gôndolas. Produtos como protetores solares e bronzeadores, que tem pico de vendas no final do ano por conta do verão e das férias, são também os produtos mais visados para pequenos furtos, pela facilidade na revenda no mercado negro. Confira as dicas para a exposição destes produtos na área de vendas:

2.1 – Vinhos: A grande maioria destes produtos tem a embalagem de vidro, variando na sua espessura milimétrica: alguns são mais sensíveis que outros. Os vinhos de maior valor devem ficar acima das prateleiras, para não ocorrerem acidentes com carrinhos de clientes e de abastecimentos. Já a arrumação destes produtos exige prateleiras firmes ao chão, tornando o processo de reposição e saída dos vinhos segura.

2.2 – Produtos Natalinos (Castanha, Nozes, passas, etc): Devem ser vendidos embalados ou servidos pelos colaboradores.

2.3 – Bacalhau: Vender na bandeja e filmado, ou em cortes com lacres de cores diferentes, conforme a qualidade do bacalhau.

2.4 – Azeite: Tal como o vinho, as embalagens de azeite são, majoritariamente, de vidro, mas reforçados. A exposição deve ser de acordo com a venda, não podendo ter uma visibilidade agressiva nas gôndolas, para que a Prevenção de Perdas possa atuar na fiscalização do  produto.

3 – Venda e Registro

Todos os produtos perecíveis devem ser pesados novamente no checkout, para manter a segurança da venda. Os vinhos devem ser registrados e verificados pelas operadoras de caixa através da descrição na tela, certificando que a venda corresponde ao produto – uma vez que pode ocorrer a troca do código do produto.

As bebidas devem ser retiradas da caixa, para ter a certeza que serão registrados corretamente na saída. Todos os produtos PAR (Produtos de Alto Risco) devem ser auditados diariamente durante o mês de dezembro e a primeira quinzena de janeiro – este último como liquidação dos produtos que atravessaram o ano.

A equipe de Prevenção deve começar sua jornada de trabalho com a informação dos produtos de perda, bem como o meio que gerou a perda, servindo de referência para que futuras perdas sejam evitadas.

O time da Prevenção deve ter os números da quantidade vendida de cada item para negociar a quantidade exposta na ilha de vendas. Precisa, também, conferir todo o estoque regularmente, para evitar que produtos vencidos dentro do depósito gere demandas judiciais. Este trabalho é feito em conjunto com cada encarregado de setor.

Deixe uma resposta