supermercados
29 jun 2017

Consumidor está mais atento a promoções em supermercados

Estudo avalia a mudança de comportamento entre 2014 e 2016

Uma pesquisa realizada pela Hello Research comparou os dados coletados em junho com 1.280 consumidores de todas as classes e regiões do país com os resultados obtidos pelos mesmo estudo em junho de 2014 e identificou que os brasileiros estão muito mais atentos às promoções.

A primeira edição do estudo detectou que apenas 18% dos consumidores lembrava de alguma promoção realizada em supermercados. Dois anos depois, a porcentagem chegou a 32%, um crescimento de 78%.
‑ Esse dado nos mostra que o consumidor está muito mais atento às oportunidades de economizar, nada mais natural em meio à crise ‑ diz Davi Bertoncello, CEO da Hello Research.

Foram comparadas as promoções realizadas e a redução do preço é a preferida de 59% dos consumidores. As do tipo “Leve 3 e pague 2” vem na sequência, eleita por 18% dos entrevistados. Em 2014, 46% dos entrevistados diziam gostar mais dos descontos, enquanto 25% os “Leve 3 pague 2”, o que demonstra que em dois anos os consumidores passaram a valorizar mais promoções com obtenção de benefícios financeiros imediato. Em 2016, os tipos de promoção “compre e ganhe” ainda ficaram com 7% da preferência, enquanto a degustação ficou com 5%. Ainda foram citados as amostras grátis e os sorteios, com 1% cada.

A maior lembrança sobre promoções aplicadas em supermercados é comum aos consumidores de todas as classes. O destaque é entre os entrevistados das classes A e B, que passaram de 18% de pessoas impactadas por promoções em 2014 para 46%, neste ano. Em seguida, vem os integrantes da classe C, aumentando de 19% para 33% e, mesmo estando abaixo da média geral, os entrevistados das classes D e E que passaram de 14% para 29%.
– Os supermercados são shoppings de alimentos que devem transmitir aos consumidores uma agradável experiência de compras, com destaques para lançamentos e promoções. Esperamos que este estudo ajude o setor supermercadista a se aperfeiçoar e que nosso associado possa tomar decisões com mais embasamento – avalia Fábio Queiróz, presidente executivo da ASSERJ.

 

 

Deixe uma resposta