17 dez 2018

As transformações tecnológicas, as conexões humanas e profissionais

Que estamos em constante e profunda transformação é fato.

O grande crescimento no uso de tecnologias para os mais variados fins, vêm modificando a forma com que as pessoas se relacionam, com que acessamos informações sobre produtos e serviços, a forma com que compramos e a forma com que as empresas realizam negócios. E as tecnologias estão cada dia mais presentes em todos os aspectos de nosso cotidiano – social, profissional, pessoal –, com impactos profundos. Impactos estes com proporções ainda não tão compreendidas e mensuradas.

Do lado do marketing e mídia, por exemplo, mais do que “consumir” conteúdos e campanhas produzidos por agências especializadas, hoje, na prática, qualquer um de nós, nos tornamos desenvolvedor de mídias e conteúdo, promovendo ou detratando marcas (de produtos, serviços, canais), e, apenas com um click.

Do lado do mundo de negócios, novos modelos surgiram, outros foram aperfeiçoados e, alguns, deixaram de existir. No tocante ao tema varejo, por exemplo, a conectividade e o uso mais intenso de tecnologias vem alterando a forma dos consumidores e shoppers irem às compras.

A mescla entre o físico e virtual, reforçando o conceito de omnichannel, é uma realidade. O consumidor de hoje é multicanal e, por isso, espera poder comprar em qualquer lugar no momento em que lhe for mais conveniente e prático. E, na prática, o consumidor não faz distinção entre o mundo on e off, o que cria a necessidade de uma abordagem omnichannel.

E hoje mais que conectados, exigentes e seletivos, curiosos, multimarcas e multicanais, ávidos por experiência, adotam novos valores que se tornam atributos cruciais para o processo de compra e decisão, a saber: (Pesquisa realizada em outubro 2017 – Connect Shopper e Youpper)

– ter propósito claro

– diversidade

– liberdade

– veracidade

– compartilhar

– forte apelo a praticidade

– simples

– conveniência

– colaborar

– benefícios sociais, ambientais, etc

– a minha cara

Na escolha de um produto, marca, canal, levam em consideração: coerência e consistência entre promessa e entrega: relevância, transparência, veracidade, responsabilidade (saúde, moral..)

– 72% que cumpram os benefícios que promete

– 70% que não ofereçam riscos à saúde

– 72% querem embalagem prática de abrir ou manipular e sem danos ao ambiente

Dentro deste contexto, exige-se, uma real orientação para o cliente.  Imprescindível conhecer a fundo os consumidores e shoppers, entender quem são, o que querem, como se comportam, razões para a escolha ou não, e sermos capazes de nos relacionar com eles e atende-los nos diferentes pontos de contatos, oferecendo uma experiência de compra agradável em todos os aspectos de sua jornada.

Neste cenário, pessoas, fazem e farão toda a diferença. As demandas atuais exigem profissionais cada vez mais qualificados, com atitudes e habilidades diferenciadas, capazes de relacionar na sua rotina diária a estratégia da empresa com o mercado, comportamento e decisões dos clientes, ações da concorrência, entre outros.

Fiquem de olho!

*Artigo escrito por Fátima Merlin publicado na edição de novembro da revista Super Negócios (nº6)

Deixe uma resposta