business man financial inspector and secretary making report, calculating or checking balance. Internal Revenue Service inspector checking document. Audit concept
05 jul 2017

Conheça os objetivos propostos pelos incentivos fiscais, que mesmo criticados pela opinião pública, geram empregos

Rio – Incentivos fiscais são benefícios relacionados à carga tributária, concedidos pela administração pública a certas empresas com o objetivo de estimular um setor específico ou atividade econômica determinada. Normalmente condenados pela opinião pública, estes incentivos consistem em um importante instrumento dos governos de promover o desenvolvimento econômico e social, gerando empregos e movimentação da economia.

Esses ‘benefícios’ possibilitam importantes investimentos, além de baratear produtos. É através deles, por exemplo, que as indústrias e os supermercados ganham margem para negociação na busca do preço mais justo para o consumidor. Esta sinergia aumenta o número de ofertas nas lojas, garantindo as vendas e promovendo a atividade industrial. Sem os incentivos fiscais acaba sendo em vão todo o esforço da Asserj de ser o elo da cadeia de abastecimento na busca do melhor cenário para os nossos três públicos-alvos: os supermercadistas, a indústria e o consumidor.

Todo mundo pratica algum tipo de ação visando a instalação de atividade industrial (ou de apoio a determinada atividade comercial). A Zona Franca de Manaus é um exemplo. O Decreto Lei nº 288/1967, que estabeleceu incentivos fiscais para criação de pólo industrial, comercial e agropecuário numa área de 10 mil km², na cidade de Manaus, atraiu empresas multinacionais que se instalaram na região, condicionando o início da industrialização. Desta forma, viabilizou-se o processo de industrialização anteriormente concentrada na Região Sudeste e atraiu contingente populacional, pois a região apresentava um vazio demográfico.

A Asserj tem é favorável à concessão dos incentivos fiscais, desde que sejam de acordo com um modelo de desenvolvimento sustentável. É condenável qualquer tipo de incentivo/benefício de forma fraudulenta. A lei estadual nº 7495/2016, de autoria dos deputados Luiz Paulo, Lucinha, Bruno Dauaire e Jânio Mendes, pode ‘engessar’ o Estado e transferir os empregos e investimentos para os estados vizinhos. Lamentamos que a não-instalação de uma fábrica da Ambev, que produziria embalagens de alumínio para seus produtos, prevista para o Rio e geraria renda e empregos, tenha sido festejada como se fosse uma vitória de toda a sociedade.

No final de maio, a Asserj comemorou, juntamente com todo setor empresarial fluminense, a decisão do TJRJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro), em cassar a liminar que proibia que nosso Estado concedesse benefícios fiscais. O Estado precisa de política de atração de investimentos! Competimos por empregos e investimentos com todos os estados da federação e com a maioria dos países. Gerar empregos e a circulação de riquezas será o caminho para a nossa recuperação.

Fábio Queiroz é presidente da Asserj

Comment List

  • luiz carlos bastos riente 06 jul 2017

    Muito boa esta matéria .
    Os supermercados devem incentivar as industrias que estão instaladas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO ,muitas delas não
    estão comercializando seus produtos nas grandes redes, e com isto as industrias deixam de gerar investimentos ,mais empregos e mais riquezas para o nosso estado.
    Alem de baratear os produtos comercializados em suas gondolas, promovendo o desenvolvimento econômico e social ,gerando mais empregos movimentando a economia e beneficiando o consumidores.

    Reply
    • ASSERJ 10 jul 2017

      Olá, Luiz! É isso mesmo, conte com a ASSERJ para promover essa união entre a indústria e os supermercadistas. Acompanhe nossas notícias e calendário com os próximos eventos. Agradecemos a sua colaboração!

      Reply

Deixe uma resposta