carne-forte-asserj
04 maio 2017

Cinco dicas para ajudar seu consumidor a comprar carne “forte”

Além de confiar nas práticas de processamento eficientes e dentro dos padrões legais das indústrias, o consumidor pode verificar na loja a qualidade da carne que vai comprar. A Friboi divulgou dicas do chef e pesquisador Guga Rocha, embaixador da Academia da Carne Friboi, para ajudar o brasileiro na escolha de um alimento fresco e com garantia de origem. Veja abaixo:  

  1. Etiqueta interna

O primeiro passo para escolher uma carne de qualidade é checar as informações da etiqueta interna do produto. Nessa etiqueta você encontra as datas de produção e validade, a temperatura em que o produto deve ser mantido (resfriado ou congelado), endereço da fábrica em que foi produzido e o selo do SIF (serviço de inspeção federal).

  1. Selo SIF

O Selo SIF – Serviço de Inspeção Federal – assegura que o produto foi inspecionado pelos fiscais e agentes do Ministério da Agricultura e está apto para consumo. Por isso é sempre imprescindível que a carne tenha essa identificação na etiqueta interna. Caso o produto tenha sido manipulado pelo açougueiro, peça para que ele mostre a etiqueta do produto que foi porcionado ou manipulado.

  1. Embalagem a vácuo

Dê preferência aos cortes embalados a vácuo. Assim você tem a certeza de que o produto traz a garantia, a segurança e a qualidade do fabricante. Além disso, a embalagem a vácuo ainda ajuda a manter o frescor da carne, já que todo o ar é retirado logo após a produção, evitando assim a oxidação da peça. Ao abrir a embalagem, as carnes normalmente apresentam um odor mais forte, que se dá pela ausência de oxigênio na embalagem, mas isso não significa que a carne está estragada! Em poucos minutos, o cheiro desaparece e a coloração volta ao normal.

  1. Carnes resfriadas

Dê também preferência às carnes resfriadas, comercializadas in natura. Essas peças não têm a adição de qualquer produto químico ou conservante.

  1. Coloração da carne

A cor da carne é um item importante para definir se o produto está bom para  consumo, mas não é o único. Uma cor vermelhinha não deve ser o único fato observado na hora da compra, até porque os cortes embalados a vácuo ficam um pouco mais escuros pela falta de ar da embalagem, mas, assim que abertos, retomam a cor normal. Para escolher a carne ideal, associe essas informações com os dados de data de produção, data de validade e aspecto sensorial como o odor.

Deixe uma resposta